Covid-19esclerose múltiplaEsclerosis múltiple

Qual é o risco de COVID-19 para pacientes com esclerose múltipla?

Publicado hace 10 meses por Un ensayo para mí

Qual medicação deve continuar e qual deve ser evitada durante a pandemia. Conheça a importância da vacinação e o risco de desenvolver sequelas da Covid-19.

¿Cuál es el riesgo de COVID-19 para los pacientes con esclerosis múltiple?

Diante da ameaça do coronavírus que surgiu em 2019, muitos pacientes com esclerose múltipla ficaram preocupados e isolados. Afinal, alguns são imunossuprimidos para evitar que seu sistema imunológico ataque seu próprio sistema nervoso. Com suas células defensivas adormecidas, muitos pacientes temem perder a batalha se contraírem o COVID-19. Mas a verdade é que os pacientes com esclerose múltipla não correm um risco maior de ter COVID grave ou morrer de coronavírus do que o resto da população. Claro, se eles têm certos fatores – além de serem diagnosticados com esclerose múltipla – aumenta o risco de doenças graves.

Esclerose múltipla e fatores de risco

Para começar, ter mais de 60 anos e ser do sexo masculino são dois fatores que aumentam o risco de sofrer de COVID que requer hospitalização. Obesidade, diabetes e doenças cardíacas também jogam contra os pacientes com esclerose múltipla. Ter uma alta taxa de incapacidade – por exemplo, usar uma cadeira de rodas – também está associado a um risco maior para o paciente se ele for infectado pelo COVID-19. Mas o risco geral parece ser menor do que o imaginado no início da pandemia.

O registro de pacientes latino-americanos com esclerose múltipla e neuromielite óptica (RELACOEM), revelou que 15% dos pacientes com esclerose múltipla que tiveram COVID nos primeiros meses de 2020 tiveram que ser hospitalizados, enquanto 6% necessitaram de terapia intensiva e os 3% morreram . Os maiores fatores de risco para internação foram idade e tempo de evolução da doença de base.

Os pesquisadores e médicos dos 15 países latino-americanos que participaram do registro, liderados por Ricardo Alonso, do Centro Universitário de Esclerose Múltipla do Hospital Ramos Mejía, em Buenos Aires, concluíram no ano passado que “a gravidade e a morte por COVID entre os pacientes com esclerose múltipla é comparativamente baixo” e que os medicamentos modificadores da doença não aumentariam o risco dos pacientes.

Os pacientes com esclerose múltipla são mais propensos a desenvolver COVID persistente (“long covid”) ?

Segundo um grande estudo realizado na Grã Bretanha entre março de 2020 e março de 2021, 80% dos pacientes com esclerose múltipla que não necessitaram de internação se recuperaram totalmente do COVID-19, o mesmo tempo que o restante da população (10 dias).

Mas quase 30% daqueles que tiveram a infecção (599 no total) continuaram a apresentar sintomas um mês após o diagnóstico de COVID-19, enquanto 12% continuaram a apresentar sintomas pós-COVID por 12 semanas. Hoje estima-se que pelo menos 1 em cada 10 pacientes com esclerose múltipla e COVID sofre sequelas respiratórias, digestivas, musculares ou sensoriais que necessitam de cuidados por mais de três meses.

“Pacientes com esclerose múltipla são afetados por sequelas pós-aguda do COVID-19”, disseram os autores do estudo britânico liderado por Afagh Garjani, neurocientista da Universidade de Nottingham. Deficiência neurológica pré-existente ou histórico de saúde mental parecem aumentar o risco de COVID prolongado.

Quer saber mais sobre uma pesquisa médica para esclerose múltipla?

Preencha o formulário com seus dados para entrar em contato com um médico pesquisador

inscreva-se agora

Imunoterapia e COVID-19

Ser tratado com certos medicamentos (como corticosteroides e certos tratamentos como ocrelizumabe e rituximabe) também pode aumentar o risco de infecção grave por COVID, mostraram vários estudos. Mas isso não significa necessariamente que os tratamentos anti-CD20 devam ser suspensos durante a pandemia. Cada paciente terá que discutir os riscos e benefícios da medicação com seu médico especialista.

Quanto aos interferons e acetato de glatirâmero, eles não parecem afetar a gravidade do COVID. Também não há risco aumentado associado a outros medicamentos em uso para esclerose múltipla: o consenso internacional é que Fumarato de Dimetila (Tecfidera), Fumarato de Diroximel (Vumerity), Teriflunomida (Aubagio), Fingolimode (Gilenya), Natalizumabe (Tysabri),Ozanimod (Zeposia), ou Siponimod não precisam ser descontinuados. Em relação ao Alemtuzumab e à Cladibrina oral, ainda não há evidências conclusivas sobre sua influência na resposta ao coronavírus.

Os neurologistas internacionais recomendam interromper a administração de esteróides em caso de recaídas e que os pacientes sejam mantidos isolados em caso de ataques ou surtos de esclerose múltipla. As consultas médicas e as sessões de reabilitação devem continuar, se possível, de forma remota ou virtual. Por fim, aconselha-se que os pacientes com esclerose múltipla recebam anualmente a vacina contra a gripe e, principalmente, se vacinem contra a COVID-19.

Vacinas contra o COVID-19

As vacinas anti-COVID são seguras para pacientes com esclerose múltipla e podem ser aplicadas durante o tratamento com a medicação habitual que os pacientes recebem. No entanto, se um paciente deve iniciar uma das imunoterapias modificadoras da doença, é preferível que ele receba as doses da vacina 2 a 4 semanas antes de iniciar o tratamento oral ou injetável.

Com base em pesquisas preliminares, as pessoas tratadas com alguns medicamentos modificadores da EM (fingolimod, siponimod, ozanimod, ponensimod, ocrelizumab, rituximab, ofatumumab) podem ter uma resposta de anticorpos diminuída após a vacinação. Mas mesmo que seus testes mostrem um baixo nível de anticorpos, isso não significa que a vacina não proteja contra a COVID-19, pois os pacientes podem gerar uma resposta imune diferente (baseada em células T) a longo prazo.

De qualquer forma, dada a diminuição da resposta defensiva em pacientes tratados com imunossupressores, passa a ser recomendada uma terceira dose da vacina, que deve ser recebida entre um e três meses após completar o esquema inicial de duas doses. Em alguns países, como Israel, já é indicado um reforço que funciona como quarta dose para grupos vulneráveis. Na Argentina e no Uruguai, uma quarta dose também foi anunciada para pessoas imunossuprimidas, incluindo pacientes com esclerose múltipla tratados com biológicos ou corticosteróides em altas doses.

Até o momento, nenhuma das vacinas aprovadas pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA causou uma verdadeira recaída ou exacerbação da esclerose múltipla. Por outro lado, nenhuma das vacinas oferecidas no mundo é desenvolvida com vírus vivos atenuados, razão pela qual as vacinas baseadas em RNA (Pfizer e Moderna) e aquelas feitas com vetores virais que não se replicam (Astra Zeneca, Janssen, Cansino) ou proteínas recombinantes (Novax) não podem causar COVID-19 ou ser perigosas para pessoas imunossuprimidas. Na melhor das hipóteses, eles geram febre, fadiga e dores musculares que desaparecem em pouco tempo, como a maioria dos efeitos adversos no resto da população.

É importante ressaltar que um paciente com esclerose múltipla que está infectado com o coronavírus pandêmico, corre maior perigo do que aquele que recebe uma vacina contra a COVID-19. Os especialistas recomendam que os pacientes recebam todas as doses da vacina o mais rápido possível e garantam que a medicação para esclerose múltipla possa ser adiada até 15 a 30 dias após a vacinação. A prioridade hoje é a vacina contra a COVID-19.

A pesquisa médica para pessoas diagnosticadas com ESCLEROSE MÚLTIPLA

Pacientes diagnosticados com esclerose múltipla podem se inscrever gratuitamente para participar de um estudo científico (conhecido como ensaio clínico), que busca verificar a eficácia de um novo tratamento para retardar os sintomas da doença e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Quer saber mais sobre uma pesquisa médica para esclerose múltipla?

Preencha o formulário com seus dados para entrar em contato com um médico pesquisador

inscreva-se agora